Pular para o conteúdo

MEDIDAS A CURTO PRAZO PARA A SAUDE PUBLICA NO BRASIL

Inicialmente devemos nos concentrar a uma pergunta elementar:

A quem se destina o atendimento público?

Embora,  e o ideal fosse assim, o texto constitucional  é expresso quanto ao dever do Estado e o direito do cidadão à saúde pública.

Mas, diante do quadro concreto e necessidade de buscar uma solução de emergência a curto prazo não é demais acatar medidas com fundamento  justo e justificável.

O problema é de gestão. de recursos bem administrados, claro que é..

Temos exemplos de soluções que poderiam ser ampliadas. A gestão de terceiros. É o caso da Rede  Sarah em que o Estado repassa recursos para Hospitais de excelência para atendimento à população. É a iniciativa privada com a gestão de recursos públicos.

Se fosse aplicada a fórmula em todo o país evidentemente teríamos melhores resultados.

Dir-se-á que o SUS cumpre essa missão. Não é verdade. Nenhuma rede hospitalar pode subsistir com os baixos repasses feitos pelo SUS e de alguns Planos de Saúde.

No entanto, os Planos bem administrados e saudáveis, com recursos suficientes, têm tido a adesão da rede particular sem nenhum problema. Daí a pergunta: porque o orçamento público não pode atuar como supridor de fundos para um atendimento na rede particular? Ou será que a questão principal é não abrir mão da gestão publica?

Vamos expandir o raciocínio além da questão da saúde, para efeito de comparações.

Será que o orçamento das Universidades Publicas é menor que das Universidades Particulares? Será que as particulares pagam salários ínfimos aos seus docentes? E porque dificilmente se vê greves no setor privado?

Eu estudava na Faculdade de Ciências Econômicas de Juiz de Fora , particular, e pagava uma certa importância anual pelos estudos. Estava eu, no terceiro ano de um total de quatro, quando veio a criação da Universidade Federal de Juiz de Fora com a incorporação de todas as faculdades existentes na cidade ( Medicina, Engenharia, Economia, Farmácia e Odontologia , Enfermagem, Filosofia e Letras e de Assistente Social e Direito)

Tive a curiosidade de verificar o orçamento destinado à nossa Faculdade de Economia e constatamos que o gasto mensal do governo para o custeio do nosso estudo era superior ao dobro do que nós pagávamos por ano. Com a mesma estrutura administrativa, o mesmo corpo docente  e as mesmas instalações. Ou seja, sem federalizar,  se o governo pagasse à Faculdade  particular a mensalidade de cada aluno, correspondente à metade do que estava previsto pagar, economizaria no mínimo cinquenta por cento do seu orçamento anual e a escola lucraria o dobro do que recebia anteriormente.

Mas, por uma questão da cultura do serviço publico, se não desejasse apenas subsidiar a rede privada, mas ter a sua própria rede pública, poderia também garantir o ensino gratuito apenas aos que dele necessitassem e sem condições de arcar com o seu custeio. Isto é, se o aluno de família que disponha de recursos, principalmente o abastado,  tivesse que pagar o seu estudo, ainda que pela metade do que orçamentariamente pudesse indicar como gasto da faculdade sem nenhuma duvida sobraria recursos para se aplicar em outras áreas. Lembre-se que na Universidade além do ensino,  há ainda regalias de um restaurante universitário altamente subsidiado e toda uma aparelhagem técnica destinados ao aluno proprietário de carro do ano e do modelo mais sofisticado, no estacionamento. E este promove greve, pratica depredações quando poderia estar custeando  a sua presença no curso. Mas não é assim. O cidadão passa toda sua vida escolar às custas do orçamento público, com exclusividade e tempo integral, e formado,  simplesmente entra no mercado de trabalho . Ao contrário daquele que não dispõe de recursos e não tem condições de frequentar o ensino publico porque necessita trabalhar , e somente pode frequentar o curso noturno, disputa um financiamento  dado pelo governo e após a sua formatura tem que pagar o que nele foi investido.

Voltando á saúde. O cidadão abastado, ou que assim não seja, mas com recursos suficientes para manter um bom Plano de Saude, ao recorrer à rede publica deveria ser dispensado de promover algum custeio? Pelo menos, se portador de um Plano de  Saude, este deveria ressarcir o atendimento de seu usuário.

No meu entender, volto a dizer, a saúde do brasileiro deveria ser atendida pelo setor privado subsidiado pelo poder publico.

Afinal, na rede privada a fiscalização é muito maior nas licitações, no desvio de materiais, na manutenção de equipamentos  no atendimento, na frequência dos profissionais porque qualquer dano ou fraude repercute imediatamente em seus custos e para quem tem o resultado financeiro como meta principal o prejuízo não é tolerado, ao contrário do que, infelizmente, ocorre na administração pública que parece não ter dono na visão  dos seus gestores.

É evidente que não pretendo me postar como um salvador da pátria com fórmulas salvadoras, mas que seria um bom começo, isto seria…

Excelentes as matérias postadas

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: