Pular para o conteúdo

ALERTA….

Já falei sobre isso e vou repisar..

Hoje, estamos vivendo uma triste etapa de nossa vida republicana com os fatos diariamente colocados à nossa vista e que no mínimo nos envergonham e entristecem por ver um país tão grande, tão rico e caminhando para um futuro que nem mesmo pode ser imaginado.

Vejo, no entanto, o povo sendo levado por obra e graça dos meios de comunicação que manipulam , principalmente as massas, no interesse empresarial e de suas conveniências políticas, de tal forma que grande parte da população participa,  ativamente através das manifestações,  sem uma liderança confiável,  conduzida pela repercussão das matérias divulgadas.

Tivemos como exemplo os conteúdos das delações realizadas em segredo de justiça,  até as suas homologações, publicados nas revistas semanais e posteriormente  repercutidas nos jornais, sem a apresentação de  nenhuma prova, mediante vazamentos ilegais e que se tornam como verdadeiros, de forma inconteste servindo até como fundamento na instrução processual e nas próprias sentenças.

O perigo está evidente, no que tange à confiabilidade e a segurança jurídica.

Recordo-me, da CPI denominada ” Anões do Orçamento” da qual constou uma acusação formal contra um parlamentar íntegro, competente, respeitado e que teve cassado o seu mandato, em função de uma suposta transação bancária em um país sul americano.  A prova da acusação foi uma matéria publicada em uma revista semanal.

Passados vinte anos, tempo suficiente para a prescrição da ação criminal o repórter que àquela época postou a matéria vem a público e declara que tudo era falso e que foi feito por encomenda para cassar o mandato daquele deputado. Quando do processo ninguém procurou saber se as alegações angustiadas do então denunciado seriam verdadeiras, pois o importante é cassar porque aquela revista,  que até hoje atua,  divulgava os fatos como absolutamente verdadeiros.

Relembro esse episódio, que não foi o único, para alertar no sentido de que devemos, sim, bradar pela honestidade, se insurgir contra a corrupção e pela punição dos autores, sem complacência,  mas  nos informando  devidamente e procurar agir somente quando estivermos muito certos da verdade e não percamos de vista o famoso  Intertexto de  Bertolt Brecht,  que me permito transcrever mais uma vez (já postei em outra  oportunidade):

“Primeiro levaram os negros

Mas não me importei com isso

Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários

Mas não me importei com isso

Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis

Mas não me importei com isso

Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados

Mas como tenho meu emprego

Também não me importei

Agora estão me levando

Mas já é tarde.

Como eu não me importei com ninguém

Ninguém se importa comigo.”

2 respostas »

Excelentes as matérias postadas

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: