Pular para o conteúdo

RANGEL, velho amigo…

Para quem não teve a ventura de conhecer RANGEL CAVALCANTE, merece ler algo sobre o seu perfil para admirá-lo e se juntar a nós na saudade que nos deixa com sua morte.

Melhor que minhas palavras vou transcrever um belíssimo texto de  PAULO JOSÉ  CUNHA, não menos brilhante, publicado no Correio Braziliense de hoje:

RANGEL CAVALCANTE, UM COLEGA INESQUECÍVEL

PAULO JOSÉ CUNHA Jornalista e escritor

Existem dezenas de motivos para se lamentar a morte do jornalista Ran­gel Cavalcante. Mas uma frase é su­ficiente para justificar a tristeza de todos nós que convivemos com ele: era inteligente, divertido e sábio. Principal­mente sábio, porque só os sábios riem de si próprios. E ele não apenas ria: gargalha­va. Raciocínio rápido e afiado era terrível, principalmente com os amigos. Uma vez descobriu que eu tinha feito amizade com alguns estrangeiros. Espalhou que eu tinha passado a andar com eles pra ver se ficava mais inteligente…

Além do texto preciso e criativo, era al­tamente exigente com a gramática. Não poucas vezes ligou para Alexandre Garcia, colega comum desde a sucursal do Jornal do Brasil, onde nos conhecemos, para re­clamar da construção equivocada no tex­to da matéria de algum repórter da TV Globo. Quando saiu o filme Que horas ela volta, indignou-se. Ligou-me pedindo que interferisse junto à editora de Opi­nião do Correio Braziliense, jornalista Dad Squarisi, especialista em gramática, minha parceira no tira-dúvidas de portu­guês 1001 Dicas-Manual descomplicado. “Como é que um filme que vai represen­tar o Brasil lá fora já sai daqui com um er­ro de português no título?” Dad escreveu um artigo registrando a indignação dele.

Durante a ditadura, ao prestar depoi­mento num quartel sobre uma foto em que aparecia cortando cana em Cuba, explicou-se: “Mas claro que eu não estava ajudando o regime do Fidel. Estava era preparando o facão para dar um golpe naqueles comunistas!” O militar que o in­terrogava danou-se a rir, diante de explicação tão disparatada.

Quando meu filho nasceu, pus nele o nome de meu pai. E, seguindo a tradição da família, acrescentei uma vírgula antes da palavra “neto”, assim mesmo, no diminutivo. 0 cartório não aceitou. Ao saber do fato, Rangel lembrou-se de que era ad­vogado e bradou na redação: “Vamos às barras dos tribunais, exigir nossos direi­tos. Tudo por uma vírgula!” E fomos, sob aplausos da redação, que nem Dom Quixote e Sancho Pança, carregando cópias de certidões de nascimento de personali­dades como Odylo Costa, filho de Torquato (Pereira de Araújo), neto, todos com a bendita vírgula no nome, para provar a tradição familiar. 0 fato saiu na imprensa quando nossos colegas souberam da his­tória do menino que não podia ser regis­trado por causa de uma vírgula. E nós ga­nhamos a, digamos, causa.

Às vezes retornava à redação do JB de mãos vazias, sem matéria para entregar ao então editor Ricardo Noblat, que uma vez indagou: — E por que hoje não teve matéria, Rangel?

“Porque os fatos se recu­sam a acontecer!”, respondeu, muito sé­rio, arrancando nossas gargalhadas.

Uma vez, na rua, um menino o inter­rompeu. Não para pedir esmola, mas para que lhe comprasse um caderno es­colar. Foi à papelaria mais próxima, comprou o caderno e deu ao menino. Subiu à redação com os olhos encharca­dos, contando a história e esbravejando contra a injustiça de um país que deixa seus filhos ao deus-dará, enquanto des­perdiça tantos recursos com as farras dos ladrões do erário.

Em 1976, quando Juscelino Kubitscheck morreu, fomos escalados para ir à Fazendinha JK, em Luziânia, perto de Brasí­lia, onde JK gostava de descansar, reper­cutir a notícia. Ainda não havia celular. Era de manhãzinha quando chegamos e logo percebemos que ali ninguém sabia do acidente. “ Rangel, meu amigo, vamos ser os arautos da má notícia”, comentei, preocupado. Acalmou-me: “Vamos frer tudo com olhos de sentir, não vamos pro­curar saber pela boca dos outros. Vamos usar apenas a sensibilidade”. Jovem repórter, não resisti às perguntas tradicio­nais aos empregados sobre como JK agia quando estava na fazenda, o que gostava de fazer, essas coisas. Rangel limitava-se a olhar demoradamente, a examinar. Pro­curava… sentir. Enquanto eu terminei es­crevendo uma matéria convencional, ele produziu um texto belíssimo que come­çava falando de Luzia, a lavadeira negra que vimos chorando sozinha, em silêncio num canto isolado da casa, segurando um cabide de onde pendia o casaco que Juscelino usava nas noites de frio e que ela acabara de passar a ferro para quando ele chegasse. Aprendi ali a lição inesquecível de que ao repórter, cabe, às vezes, olhar mais e indagar menos.

Rangel, nosso magro de aço do Ceará, amigo da boa prosa e amigo dos amigos, era desses jornalistas que não se fabrica mais. Jornalistas que perguntam pouco mas que sabem ler o mundo . Só de olhar com atenção e sensibilidade.”

Graças a Deus pude conviver com essa raríssima figura.

4 respostas »

    • Alem de competente uma figura humana extraordinária. Vou ter oportunidade de escrever mais sobre ele. O Paulo José vai me entregar cópia de uma entrevista que fez com ele na TV Câmara, realmente encantadora.

  1. Não conheci o Rangel. Mas, pelas palavras que o descrevem e por ser amigo de Henrique e do meu eterno professor Paulo José Cunha, percebo o quanto deve ter sido ser humano extraordinário.

    • agradeço o comentário e em especial as referências. O Rangel a essa altura deve estar dando gargalhadas.. Como disse o Paulo José ele ria dele mesmo e por mais complexa que fosse a situação ele sabia como contornar com sabedoria e muito humor..

Excelentes as matérias postadas

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: