Lembranças da Peste (Bartô)

O Secretario de Cultura do Distrito Federal, o Bartô, um dos mais queridos jornalistas em ação na área política de nossa Capital, cuja amizade cultivo desde os meus tempos de Assessoria na Liderança do Governo na Câmara dos Deputados e na Casa Civil da Presidência da República, sempre foi um arsenal de simpatia e honestidade profissional.

Hoje, lendo o Correio Braziliense, deparei com um texto de sua autoria sob o título ” Lembranças da Peste” que me permito transcrever nesta página em face de sua beleza.

“Quando eu era criança, devia ter uns sete, oito anos, peguei febre-tifo em meio a uma endemia que dizimou muitas crianças na cidade. Faz bastante tempo, numa época e lugar onde não havia vacina como se tem nos dias de hoje para quase tudo. Então, quando não era o vento trazendo sarampo e dor dos olhos, era a pestilenta varíola que chegava marcando as vítimas de cicatrizes purulentas que chamávamos de bexigas.

A tifo, essa veio traiçoeiramente, feito bicho- papão, ninguém esperava, botaram a culpa nos banhos de rio e nas águas das cacimbas, cheias de girinos, caçotes e outros assassinos invisíveis.

Febre altíssima, quase me levou à morte, re­duziu-me ao couro e osso, entrevado, sem um fio de cabelo na cabeça. Fui, numa palavra, de­senganado, termo que equivalia a abandonar toda a esperança. “Vamos aguardar as próximas 24 horas”, a voz grossa do doutor ecoou no quarto. Nessa época, médico visitava os doentes na casa da gente. Engoli o choro, nem forças eu tinha pra me esgoelar.

Vinte e quatro horas que duraram uma eternidade. Cada minuto de sobrevivência sendo comemorado como milagre. Ali permaneci, isolado, por 60 tristes dias. Escapei, contudo, para contar a história justo agora, quando tudo o que é belo na vida de repente ficou sombreado ante o medo da morte.

O que me curou? As injeções aplicadas por seu Olympio da farmácia, o homem mais sabido que conheci. Merece um Nobel pelas vidas que salvou distribuindo frascos de biotônico e remédios para vermes. Mas ainda faço careta quando penso na sua mão pesada enfiando agulhas no braço, na coxa, na bunda, onde desse.

A dor me transportava a viagens pelo espaço sideral. Foi assim que conheci as crateras da Lua, as nuvens de Vênus, os desertos de Marte, as tempestades de Júpiter, os anéis de Saturno, todos os planetas conhecidos e por conhecer. Cá entre nós: só eu sei da existência de um corpo celeste para além da órbita de Plutão, mas deixo essa descoberta para o futuro.

Além das orações. Minha mãe, minhas irmãs, dona Pastora, foram tantas as promessas que desconfio continuar com saldo negativo no céu, mesmo após peregrinar por grutas, cavernas e santuários misteriosos sertão adentro. Sobrevive até hoje num canto da sala, repintada de cores vivas, a belíssima estátua de gesso de São Sebastião Mártir, o santo varão livrador da peste. Herança dos meus pais, que já partiram leste mundo.

Ora, minha gente, tudo isso diz muito, porém :alta falar do amor, não o amor às coisas que vão 5 voltam como ondas, mas o amor essencial, pie é permanente. Naqueles dias confinado, piando tudo-tudo parecia perdido, apareceu- me um anjo, de carne e osso, na forma de uma morena, de olhar profundo e sorriso enigmático. Seus dentes eram mais brancos do que a neve do pico do Himalaia. Visita rápida, na companhia de uma comadre qualquer, só pra ver o menino doentinho.

Contudo, disparou alguma coisa por dentro e, ao vê-la afastar-se, prometi a mim mesmo não morrer. Não ali, não naquele momento. Eu ia atrás dela até o fim do mundo.Porém, jamais a encontrei novamente. Donde concluí que eu havia me apaixonado… pela
vida. A minha primeira namorada não foi, como pensei, uma ilusão: ela esteve ali para provar que o amor é mesmo o esteio da vida. É, numa linguagem sertaneja, mais forte do que um junta de bois carregando o fardo da nossa breve existência. E será ele quem, afinal, vai nos ajudar a atravessar essa tormenta.”

Bela mensagem de vida.

 

 

2 comentários em “Lembranças da Peste (Bartô)

Adicione o seu

Excelentes as matérias postadas

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: