Imbroglio

Atualmente o prato do dia nas redes sociais é a reação do Procurador Geral da República Dr. Aras, referente aos integrantes da Operação lavo Jato em Curitiba, aliados e seguidores do Dr. Sergio Moro. O que não falta é massacre em cima do Procurador Geral que está inclusive taxado de “petista, fascista, comunista e tudo que termina em “ista”.

Qual foi o seu crime? O que fez a Procuradoria Geral?

A bem da visibilidade das ações do Ministério Público, entendeu que os procedimentos promovidos pelos Procuradores da Operação Lava Jato, que incluem quebras de sigilo dos cidadãos e invasão de domicilio, dentre outras ações, deveriam ser informados e justificados ao invés de serrem privatizados dentre eles. Os milhares de recursos financeiros resgatados dos implicados e denunciados que se tornaram delatores premiados foram entregues a custódia desses Procuradores que se julgam no direito de decidir autonomamente o que fazer com eles. O que vimos o Chefe do Parquet exigir foi que todo esse arcabouço de informações fosse compartilhado pelo menos com a cúpula da instituição. Em sua justificativa alegou ,e com muita razão , que aqueles Procuradores não são um órgão autônomo e independente agindo em nome do Ministério Público sem dar satisfações aos seus superiores hierárquicos e se insurgindo publicamente contra decisões de tribunais superiores e em especial o próprio Supremo Tribunal Federal, além de assacar contra os Ministros daquela Corte.

Eu, como advogado, aprendi que os atores do procedimento judicial se pronunciam nos autos do Processo. Esse grupo de Curitiba inaugurou o sistema de dar entrevistas bombásticas, produzidas, expondo os dados inclusive, sigilosos por sua natureza e praticando verdadeiros julgamentos públicos. Diariamente, tínhamos grande chamadas pela imprensa para a coletiva da tarde.

Foi importante a ação desse grupo de procuradores no combate à corrupção ninguém duvida ou contesta, pois foi um marco da história republicana do país. Mas, tudo tem limite e ninguém está acima de ninguém. O deslumbramento com que assumiram lhes deu a impressão de serem os reis do universo. E o efeito multiplicador foi evidenciado nas ações de promotores no interior do país, que praticamente se viram no direito de administrar as Prefeituras mediante coação junto aos Prefeitos.

Em março de 2018 postei:

“Em postagens anteriores, tive oportunidade de alertar para um futuro que por certo viria, se providências não fossem tomadas no sentido de resguardar o sigilo necessário das investigações e do cumprimento da lei no que se refere a manifestação fora dos autos do processo.

É que, o exibicionismo tomou conta das mentes de nossas autoridades responsáveis pela tramitação dos processos, sejam os procuradores, promotores e delegados de polícia, que sempre que podem sentem uma comichão incontrolável e partem para a mídia em busca da publicidade para satisfação do seu ego.

A mim, pessoalmente, pouco se me dá se eles querem aparecer, desde que os seus atos não prejudiquem a vida do país, principalmente na estabilidade social e agora também na estabilidade econômica.

Como é do conhecimento de todos a mídia nacional se ocupava diariamente das delações premiadas dos executivos da Odebrecht que só foi interrompida em face da operação Carne Fraca da Polícia Federal.

Enquanto está se prestando a dar divulgação de fatos nacionais tudo bem, está no seu papel, ocorre que os limites que a lei nos impõe estão sendo ultrapassados, em muitas vezes.

Segundo consta, o roteiro e a prática seguida pelos procuradores da Operação Lava Jato se baseiam na Operação Mãos Limpas na Itália.

“Por isso transcrevo entrevista dada pelo ex Magistrado italiano Gerardo Colombo participante da Operação Mãos Limpas ocorrida na Itália, em entrevista a um jornalista do jornal O Estadão:

Há mais de 20 anos a Mãos Limpas pôs de cabeça para baixo a política italiana. Qual é, para o senhor, a herança dela para os italianos?

– A herança desse caso está no fato que pudemos constatar que, por meio de uma investigação judiciária, não se pode enfrentar a corrupção, quando ela é tão difusa como na Itália. Eu creio que hoje a corrupção não seja menos espalhada do que então. Investigamos por seis, sete anos. Fizemos processos até 2005 e, porém, a corrupção não diminuiu.

Como fica a cidadania quando as coisas terminam assim?

– Para mim, a cidadania, os cidadãos comuns tiveram uma parte importante na decretação do fim da Mãos Limpas porque, no início, eram todos entusiastas, na Itália, das investigações, pois elas nos levavam a descobrir a corrupção de pessoas que estavam lá em cima. Mas, conforme elas prosseguiram, chegamos à corrupção dos cidadãos comuns: o fiscal da prefeitura que fazia compras de graça, que não fiscalizava a balança do vendedor de frios, que continuava a vender apresentado como se fosse presunto…”

No final das contas com centenas de prisões, desmantelamento dos partidos e até suicídios e assassinatos, a nova ordem veio com Berlusconi na crista instituindo outra rede de corrupção.

Gilmar Mendes criticou tam­bém a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal, logo após dizer que “há uma disputa pela mídia” entre autoridades públi­cas que promovem investiga­ções. “Um delegado decide fa­zer uma operação, a maior do Brasil, para investigar a situação de carne. Anuncia que todos nós estaríamos comendo carne podre e que o Brasil exportaria para o mundo carne viciada. Por que fez isso? Porque no quadro de debilidade da políti­ca, não há mais anteparo, per­deram os freios. Não há mais freios e contrapesos.”

Hoje, 2 anos depois estamos vendo o desaguar das consequências dessas operações feitas à margem do comedimento.

Incríveis são os comentários que proliferam e preenchem os espaços da mídia e das redes sociais, inclusive postados por personalidades que integram as altas camadas do Poder.

“PGR quer acabar com o combate à corrupção” “o fim da força tarefa da Lava Jato favorece os corruptos” “O processo contra Lula vai ser anulado” “As delações premiadas vão ser engavetadas”

Basta uma pequena reflexão para ver o absurdo dessas afirmações.

Será que o combate à corrupção está estreitamente ligado aos Procuradores da força tarefa de Curitiba? Somente eles são capazes de dar curso a essas investigações? No universo que compõe o quadro de Procuradores no MPF ninguém mais é capaz de enfrentar uma questão como essa? E o único juiz em condições de presidir um processo como o que condenou o e Presidente Lula é o Ser Sergio Moro? Ninguém é honesto e sério como o Senhor Procurador Dalanhol?

Vamos ver no que dá. Na Itália também foi assim e o resultado não foi dos melhores.

2 comentários em “Imbroglio

Adicione o seu

Deixe uma resposta para hefh Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: