Pular para o conteúdo

TORRE DE BABEL CAIPIRA…..

Decretei um recesso voluntário à esperando  que algo de novo ocorresse para sair da mesmice. O País está parado. A economia sendo corroída, A vida das pessoas estagnada. As instituições se desmoronando. A perplexidade se estabelecendo em face da falta de alternativa. Cada porta que se abre dá passagem a fatos que jamais poderíamos imaginar que ocorressem. A cada luz que se acende ao final do túnel surge um apagão que desacredita uma solução que se oferecia. Para onde vamos, afinal….

Lembro-me de uma história que me contaram sobre um jogo de futebol em que o centro avante, sozinho, de frente para o goleiro gritava; “vem em mim que eu tô vendido.” e a resposta era inimaginável: ’ num vou não que eu também tô.”

Assim que estamos vivendo.

As acusações se sucedem e em dado momento aquele que poderia ser o elo da salvação surge como mais um na lista dos envolvidos.

Mas, na democracia o que vale é a solidez das instituições e o Brasil sempre despontou com uma capacidade fantástica de preservação dos ditames constitucionais da incolumidade dos Poderes que são independentes e harmônicos entre si.

Mas, será que são mesmo ?

Os membros do Poder Judiciário, sempre reservados, conscientes do seu dever de julgar , com independência, atentos à observância da legislação, das jurisprudências e das doutrinas, hoje se ocupam mais em aparecer na mídia, com ímpetos de se transformar em heróis nacionais, discutindo o que deveria estar nos autos dos processos. Os votos e decisões, antes de serem proferidos já são do conhecimento público e abertos à discussão.

Os membros do Ministério Público, em todas as instâncias e em todas as Cortes, incluindo o Tribunal de Contas se acotovelam para disputar o espaço na imprensa quando deveriam estar restritos à sua função de defender os interesses da sociedade.

Os integrantes do Poder Executivo, com a nobre e difícil missão da gestão da coisa pública são seguidamente acusados de malversação e da apropriação dos bens e dos recursos públicos.

Os representantes do povo no Legislativo que deveriam estar conscientemente tratando de legislar e fiscalizar a execução orçamentária disputam espaços, negociam e chantageiam, condicionando o seu voto, em decisões inquestionáveis para os destinos da Nação, a obtenção de benesses e privilégios.

Mas, constitucionalmente, esses são os guardiões da existência da Nação.

Em verdade ninguém se entende, como na Torre de Babel, mas falando a mesma língua?

E agora? Como se dizia antes; “vai reclamar com o Bispo…”, mas por onde ele anda?

Excelentes as matérias postadas

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: